Feeds:
Posts
Comentários

Official Highlights / Melhores momentos, vídeo oficial

Corrida completa (assistam logo, pois pode ser banido por direitos de imagens) / Full race (watch this as soon as you can, this is a non-official video, may have copyrights and should be baned soon)

Largada sensasional do Nelsinho // Piquet Jr amazing start

Assim que eu for achando mais vídeos, vou atualizando a lista aqui // If I found more videos, I will update this post and let you know

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nelson Piquet Jr has won the FIA Formula E Long Beach ePrix with a dominant performance for Next EV Team China Racing, 35 years after his father, three-time Formula 1 World Champion Nelson Piquet, won his debut F1 race at the California street circuit.

Starting from third, the Brazilian made a fantastic start with an incredible move to pass both Daniel Abt and Nico Prost into the lead on turn 1. From then on, he was unchallenged in the 39-laps and took his debut Formula E win. Nelson is now second in the championship, just one point behind Lucas di Grassi.

Nelson Piquet Jr: “I felt this weekend was ours and I can’t thank Next EV Team China Racing enough for their hard work. Everything worked out this weekend, my first fanboost and my first win. I felt so comfortable here and to wear the replica of my dad’s helmet means a lot; it’s 35 years since he won his first F1 race here and now I’ve won my first Formula E race on the same track. In the race I had everything under control, the start was amazing, the car was great and we found something that won us the race. For a few races I knew we were competitive enough to achieve this and we were just waiting for that win. It’s going to be a great celebration!”

Race Results (top-10)

1. N. Piquet Jr.
2. JE. Vergne
3. L. di Grassi
4. S. Buemi
5. B. Senna
6. J. d’Ambrosio
7. A. Felix da Costa
8. J. Alguersuari
9. L. Duval
10. S. Sarrazin

Fórmula E – Championship after 6 rounds (top10):
1. L. di Grassi 75 pontos
2. N. Piquet Jr 74

3. N. Prost 69
4. S. Buemi 55
5. S. Bird 52
6. A. Felix da Costa 43
7. J. d’Ambrosio 42
8. JE. Vergne 32
9. J. Alguersuari 30
10. B. Senna 28

Piquet Jr vence pela primeira vez na Fórmula E nas ruas do primeiro triunfo de seu pai na F1 e está a um ponto da liderança no campeonato

Este slideshow necessita de JavaScript.

Texto: Luis Ferrari (assessor do Nelsinho Piquet)

Nelsinho Piquet conquistou sua primeira vitória na Fórmula E nas mesmas ruas onde há 35 anos Nelson Piquet venceu pela primeira vez na F1.

O piloto do Team China venceu com autoridade o ePrix de Long Beach, liderando todas as voltas, depois de uma brilhante largada. De quebra, assumiu a vice-liderança no campeonato e está agora a um ponto da liderança.

“É inexplicável a sensação de vencer com o capacete do meu pai. Trago um pedaço dele comigo. Sempre consigo ir além em momentos especiais como este. Há 35 anos ele venceu aqui e fico muito feliz em novamente escrever o nome Piquet nas ruas de Long Beach. Foi por isso que fiz questão de levar o capacete para o pódio”, afirmou o brasiliense.

Partindo do terceiro lugar no grid, o carro #99 tracionou melhor na partida e emparelhou por dentro na curva 1 para assumir a dianteira. “Quando vi que tinha um bom momento, arrisquei pela liderança. Freei mais tarde. Quando vi que a manobra deu certo, tinha certeza que brigaria pela vitória.”

Ele então sustentou o primeiro posto até a janela de pit-stops e nem sequer precisou tirar vantagem do primeiro lugar no “Fan Boost”, enquete virtual promovida pela novíssima categoria 100% elétrica que premia os três pilotos mais votados com uma carga adicional de energia nos dois carros usados durante cada etapa da Fórmula E.

Com duas intervenções do safety-car, a janela de troca de carros foi “empurrada” para a segunda metade do ePrix, permitindo o segundo stint de cada carro próximo da plena potência franqueada aos competidores.

“O pit-stop foi muito bom, então fiquei tranquilo. Depois que todos pararam, reassumi a ponta. A partir daí foi controlar a corrida”, contou Piquet Jr.

Único competidor da categoria presente no top5 nas últimas quatro provas, Nelsinho agora é vice-líder do campeonato, com 74 pontos. Ele está a um ponto da liderança, a despeito de ter participado apenas da parte final da pré-temporada.

“Outros começaram a trabalhar bem mais cedo, mas a garra do Team China compensou com grande aprendizado nas primeiras duas corridas. Nunca vi a equipe tão motivada e sei que vamos trabalhar mais forte ainda no resto do ano. Tenho orgulho de fazer parte desta organização e agradeço o empenho de todos, principalmente dos torcedores que me colocaram no topo do Fan Boost.”

Depois de passar pela Ásia e Américas do Sul e do Norte, a Fórmula E agora migra para a Europa para sua reta final. Sétima etapa da temporada 2014-2015, o ePrix de Mônaco está marcado para 9 de maio. A categoria viaja então por Berlim e Moscou, antes de encerrar sua temporada inaugural com duas corridas em Londres no último final de semana de junho.

Fórmula E – Long Beach ePrix (top10):
1. N. Piquet Jr.

2. JE. Vergne
3. L. di Grassi
4. S. Buemi
5. B. Senna
6. J. d’Ambrosio
7. A. Felix da Costa
8. J. Alguersuari
9. L. Duval
10. S. Sarrazin

Fórmula E – Classificação (top10):
1. L. di Grassi 75 pontos
2. N. Piquet Jr 74

3. N. Prost 69
4. S. Buemi 55
5. S. Bird 52
6. A. Felix da Costa 43
7. J. d’Ambrosio 42
8. JE. Vergne 32
9. J. Alguersuari 30
10. B. Senna 28

Texto: Luis Ferrari, assessor do  Nelsinho Piquet

Este slideshow necessita de JavaScript.


Pista do ePrix de Long Beach aproveita parte do traçado onde Nelson Piquet venceu de Brabham em 1980

Depois de passar por Miami, a Fórmula E viaja até a Califórnia para realizar neste sábado sua segunda prova em solo norte-americano. A pista da sexta etapa da primeira categoria global para carros 100% elétricos será montada nas ruas de Long Beach e aproveita algumas vias tradicionalmente utilizadas no traçado, que serviu a Fórmula 1 e a Indy desde os anos 70.

“Estou muito motivado para esta corrida. Nosso time está em franca evolução e tenho confiança que seremos novamente competitivos. Na corrida passada resolvemos nosso problema na tomada e, na prova, fizemos as três voltas mais rápidas do dia. Há 35 anos meu pai conquistou sua primeira vitória na Fórmula 1 em Long Beach e seria fantástico ganhar meu primeiro ePrix nas mesmas ruas”, disse Nelsinho Piquet.

Ele abriu a semana do evento na liderança do “fanboost”, enquete realizada no site oficial da categoria e que confere aos três pilotos mais votados potência adicional nos dois carros disponíveis para cada corrida.

O piloto do carro #99 do Team China é o segundo piloto que mais pontos somou nas últimas três provas. A sequência de três top5s em Punta del Este (segundo), Buenos Aires (terceiro) e Miami (quinto, com a volta mais rápida da prova) alçou o brasiliense para a quarta posição no campeonato, a 18 pontos do líder Nicolas Prost.

Nesta etapa, a Fórmula E terá uma programação diferente, para garantir maior autonomia para os 20 carros do grid durante o evento. Em vez de duas sessões de treinos livres serão realizadas três práticas, de 25 minutos cada uma. A classificação (com quatro grupos de cinco pilotos) e a prova de 60 minutos com pit-stop obrigatório para troca de carros permanecem inalteradas.

A tomada de tempo acontece às 16h (horário de Brasília), e a largada para o sexto ePrix da temporada está marcada para 20h. Os canais Fox Sports exibem a Fórmula E para todo o Brasil ao vivo.

Fórmula E – Classificação (top10):
1. N. Prost 67 pontos
2. L. di Grassi 60
3. S. Bird 52
4. N. Piquet Jr 49

5. S. Buemi 43
6. A. Felix da Costa 37
7. J. d’Ambrosio 34
8. J. Alguersuari 26
9. D. Abt 19
10. F. Montagny 18

De patrocínio novo, Nelsinho Piquet mira outro pódio no ePrix de Miami

Quinto na tabela, piloto do Team China espera evoluir na tomada de tempo para manter escalada no campeonato da Fórmula E

Este slideshow necessita de JavaScript.

Por Luis Ferrari

Depois de dois pódios consecutivos na passagem da Fórmula E por Punta del Este e Buenos Aires, Nelsinho Piquet espera manter a sequência neste final de semana com mais uma corrida “em casa”: o ePrix de Miami.

O piloto do Team China morou em Miami no ano de sua transição para a Nascar e tem muitos amigos e familiares na Flórida.

“Acredito que teremos muitos brasileiros na pista e isso é uma motivação adicional. O circuito tem um traçado interessante, que deve proporcionar boas disputas entre os pilotos”, disse o brasiliense, que na última semana realizou sessões de treino no simulador do Team China, em Valencia (Espanha).

Nelsinho tem um novo patrocínio na quinta etapa da temporada. No ePrix de Miami, ele levará a marca GT Exotics no carro #99. “Quando me perguntam sobre dicas em Miami sempre recomendo alugar um supercarro e experimentar um programa de pilotagem nas pistas da região. Fico contente em correr neste final de semana com as cores de uma empresa que oferece exatamente esse tipo de experiência”, comentou Piquet.

“Estamos orgulhosos pela oportunidade de patrocinar o Nelson Piquet Jr na Fórmula E. Tenho certeza de que o evento nas ruas de Miami será um espetáculo sensacional”, acrescentou Marcelo Callegari, CEO da GT Exotics.

O carro #99 traz da prova de Buenos Aires uma punição da perda de cinco posições no grid por alta velocidade sob bandeira amarela. “É mais um fator para melhorarmos na tomada, onde ainda não conseguimos um desempenho igual ao das corridas”, observou o piloto.

Programação (horário de Brasília)

  • Treino livre 1: 9:15 – 10:00

  • Treino livre 2: 11:30 – 12:00

  • Classificação: 13:00 – 13:55

  • Corrida: 17:00

Transmissão: O canal Fox Sports 1 faz a cobertura da corrida ao vivo para o Brasil a partir das 16:30. Não deixem de votar no Nelsinho no fanboost, é fácil basta fazer o cadastro no site, acessar o link no e-mail para validar e fazer o login. Se você já votou em outras corridas e esqueceu a senha, é bem simples recuperá-la no site. O Nelsinho Piquet precisa dos fãs para ganhar essa! Vamos mostrar a nossa força :) http://fanboost.fiaformulae.com/

Texto original em inglês clique aqui (original in English click here)

Tradução livre do inglês para o português por Livia Castrioto – texto original da revista Current E Insights, download em pdf aqui => Current E Insights Piquet Feb 15

Free translation from English to Portuguese by Livia Castrioto, original article click in the link above

Tranquilo

Formula E marca o retorno do nome Piquet aos carros de fórmula, após uma ausência de cinco anos – Nelson Piquet Jr tem tido uma presença quase em silêncio até agora. Ele fala aqui sobre pódios, política e a volta às suas raízes.

Copyrights: Dan Bathie for Current E

Copyrights: Dan Bathie for Current E

É justo que um esporte que quer conciliar o veículo a motor com o meio ambiente, pregar os benefícios dos carros elétricos e acabar com os pecados de nossa sociedade intensiva em carbono, ofereça segundas chances. Junto com um grande grupo de ex-estrelas da F1, o campeonato elétrico também trouxe de volta muitos nomes reverenciados no mundo do automobilismo – incluindo Prost, Senna e Brabham.

Mas, embora tenha tido grande alarde sobre os muitos desses sobrenomes conhecidos, um nome tinha sido quase que totalmente ignorado até o seu primeiro pódio (convenientemente, pouco antes do Natal): Nelson Piquet Jr.

O piloto da China Racing pareceu de poucas palavras, quando nos sentamos para uma conversa no início de dezembro. “Eu estou me divertindo”, disse ele. Até as celebrações pódio em Punta Del Este e Buenos Aires, ele era quase que invisível, passando sem barulho em sua maneira de ser, mesmo dentro do paddock.

Piquet é filho de um tricampeão de F1, que ganhou títulos com Brabham e Williams na década de 1980. Como outros no grid, corridas em monopostos estão em seu sangue. Piquet provou que ele sabia como pilotar em uma pista de corrida:  terminou em segundo lugar na GP2, perdendo para o atual campeão de F1 Lewis Hamilton, venceu as duas primeiras corridas da A1GP e foi parceiro do bicampeão de F1 Fernando Alonso na categoria principal. A promissora carreira em ascensão nos monopostos teve a uma parada repentina com o famigerado incidente de 2008, conhecido como “crashgate”.

O perfil discreto de Piquet, em um novo esporte que é avidamente abocanhando a cada oportunidade de comercialização, proporcionada por interesse de grandes nomes parece ter menos a ver com a sua atitude em relação à F1 e mais sobre sua posição em relação a ela. As repercussões do fracasso na F1 não desapareceram inteiramente: existem ligações de longa data entre figuras importantes na Formula E e o ex-chefe da equipe Renault Flavio Briatore, chefe de Piquet na época. A política que se seguiu fez com que a carreira Fórmula E de Piquet estivesse quase no fim, antes mesmo de começar.

Copyright: Current-e.com

Copyright: Original article Current-e insights Feb 15- current-e.com

Piquet vive na Carolina do Norte, EUA, próximo do Charlotte Speedway – uma espécie de autódromo da NASCAR com capacidade para 138.000 pessoas. “É uma das maiores corridas do ano e todas as equipes estão por aqui”, diz ele. “É como viver em Oxford ou Banbury, no Reino Unido; pilotos e equipes se mudam para lá para estar perto de Silverstone. Nos EUA, vários pilotos migram para Charlotte “.

Piquet encontrou seu caminho na NASCAR após deixar F1. “É um esporte incrível”, diz ele. A perda de um patrocinador principal colocou freios em 2014, mas ele então foi para o Rallycross Red Bull GRC, onde terminou o campeonato em quarto na última temporada, atrás de Ken Block e Scott Speed. Quando um retorno para monopostos surgiu através dos carros movidos a bateria da Formula E, Piquet ficou imediatamente interessado.

“Fui sondado por duas equipes logo no começo”, relata o piloto que é metade brasileiro, metade holandês com sotaque americano. “Eu fui para ter reuniões com eles, mas não aconteceram. – Principalmente por razões políticas”.

À medida que o verão de 2014 avançava (meses de junho-agosto na Europa), piloto após piloto era sendo anunciado e parecia que a Fórmula E passaria por Piquet. “Eu meio que desisti”, diz ele.

Então veio um telefonema de Adrian Campos, cuja organização de mesmo nome fornece conhecimento técnico e mão de obra para a equipe China Racing. “Adrian me perguntou se eu gostaria de fazer um teste e eu disse que sim”, diz Piquet. “Eu vim fazer o teste e as coisas caminharam bem. Houve um grande interesse da Qualcomm na série também; a empresa foi um dos meus patrocinadores na NASCAR e agora está me apoiando na Fórmula E”.

A China Racing teve um desempenho mediano em testes de pré-temporada. A equipe não foi tão largar-parar como Trulli e a Dragon, mas o equipamento não parecia ser capaz de andar de forma consistente como as equipes e.dams-Renault, Audi Sport ABT ou Venturi.

“Em Donington, eu estava preocupado porque estávamos muito fora do ritmo”, Piquet admite. “Eu estava pensando – ‘É o carro, ou sou eu?” Todos tinham feito muitos testes e eu só cheguei lá no final. A equipe é uma organização menor do que a maioria das equipes, mas é um bom grupo de rapazes que estão trabalhando muito duro”.

Essas preocupações duraram apenas até a primeira corrida, em Pequim. Enquanto algumas equipes lutavam com o formato e com a fragilidade dos carros, a abertura da temporada e corrida em casa da China Racing correu de forma mais suave para Piquet do que muitos comentaristas esperavam. “Uma vez que chegamos à China, as coisas fluíram bem”, diz Piquet. “Tivemos um bom ritmo. O carro estava bem. Era uma pista nova para todos, e todos estavam partindo do zero “Piquet alinhou seu carro na P10 e terminou em oitavo -. Um desempenho ainda mais impressionante dado ao seu companheiro de equipe, Ho-Pin Tung, que conseguiu apenas alinhar na P15 e terminar P16.

“A Malásia foi ainda melhor”, ele continua. “Gosto da pista. Foi mais um desafio. Fomos melhores nos treinos e melhor ainda na corrida. “A melhora se confirmou com um P6 na classificação, e que seria um sólido top-5 até que uma colisão com Jarno Trulli terminou com a corrida de Piquet, arrastando-o ao longo das paredes de concreto implacáveis.

“Eu não sei o que Trulli esperava com esse movimento”, diz Piquet. “Eu tenho certeza que ele não fez de propósito. Eu não entendo o que se passava em sua mente. Ele teria que pagar uma penalidade na volta seguinte de qualquer maneira por excesso de velocidade no pit lane, e estava se defendendo como se fosse tentar vencer uma corrida. Foi uma pena, mas apenas má sorte para mim, em vez de qualquer outra coisa pior. Foi frustrante porque estávamos conseguindo um bom resultado”.

A equipe estava esperando dar um passo significativo no Uruguai, a última corrida antes do final do ano, o que se confirmou. Piquet teve um treino de classificação excelente e começou na segunda posição, logo atrás do surpreendentemente rápido estreante Jean-Eric Vergne, que tinha acabado de correr na F1.

Com um forte começo de corrida, Piquet assumiu a liderança na primeira curva no que se tornou uma corrida difícil. Sobreviver não foi nada fácil, mas ele acabou por garantir a segunda posição – e seu primeiro pódio. Este foi um momento para piloto e equipe saborearem.

A primeira corrida de 2015 rendeu mais um pódio, desta vez na terceira posição. Foi uma corrida que se transformou em algo mais parecido com Mario Kart do que precisão de condução, com colisões em abundância e uma entrada de safety car tão confusa que até mesmo o piloto vencedor não tinha certeza de sua realização até a corrida terminar. Após a quarta corrida, Piquet ocupa a quinta posição na classificação de pilotos, apenas cinco pontos atrás do quarto colocado Prost e apenas um ponto mais afastado Buemi em terceiro. Uma alavancada no campeonato é uma possibilidade muito real.

Copyright: Original article Current-e insights Feb 15- current-e.com

Copyright: Original article Current-e insights Feb 15- current-e.com

Habituar-se com o carro de Formula E se mostrou algo complicado para muitos dos pilotos. “Você não ouve o motor e os pneus são diferentes”, explica Piquet. “Parte da conectividade entre carro e piloto é a sensibilidade – o carro tocar no fundo, sentir o giro do motor – mas o som também faz parte. Ele molda a maneira como você trata a caixa de marcha, o quanto você acelera o motor. Para alguns pilotos, ele ajuda na concentração. Não importa o quão alto o motor ou quão grande a vibração é, nossos corpos são como ele. Ele nos ajuda a concentrar. É como meditar”.

Enquanto que a Fórmula E conseguiu criar no carro um som que é audível para os espectadores, isso é bem diferente dentro do cockpit, onde o piloto está sempre na frente do pouco ruído que ele gera. Piquet faz eco aos outros pilotos, no entanto, que dizem que eles rapidamente estão se acostumando à ausência de barulho de carro de corrida convencional. “Você esquece isso”, explica ele. “Você fica concentrado em entrar no traçado. Você está pensando em onde retardar freada, se neste canto, naquele canto, pensa nos pequenos pedaços para se fazer uma boa volta. E ele se torna apenas mais um carro de corrida”.

Realizar uma boa volta em um circuito de rua temporário escorregadio com o Formula E requer uma abordagem inteligente do piloto junto com uma estratégia confiante da equipe. “Você tenta ser mais preciso, limpo, eficiente”, diz Piquet. “Você não pode ser agressivo e louco na pilotagem, escorregando para os lados. Precisa ser 100% limpa. Você precisa ter calma. Em um carro de corrida, você está sempre pensando: “Posso fazer uma mudança tal, ou uma mudança na barra de rolamento? Isso para fazer o carro mais rápido em uma curva. Na Fórmula E, você precisa pensar diferente. Você está menos preocupado sobre como trabalhar no acerto. Não é como ir para Sepang e depois para Mônaco. Todas as pistas são como Mônaco – curtas, irregulares, com curvas apertadas. As relações da caixa marcha não mudam, e nós colocamos tanto asa quanto pudermos para a eficiência. Com o Fórmula E, 70% do rendimento é eficiência da bateria; 30% é mecânica. ”

Gerenciamento de bateria é uma questão-chave na Fórmula E, e que requer o tanto o máximo empenho dos engenheiros – que escrevem os mapas de energia – quanto do piloto. “Na China foi muito difícil acertar na bateria, mas Malásia melhorou”, explica Piquet. Períodos de safety car frequentes em Punta del Este e Buenos Aires ajudaram a conservar a vida útil da bateria, tornando a recuperação de energia uma preocupação a menos.

“Esse carro é muito sensível”, observa Piquet. “Há uma grande diferença entre partir com freios frios ou freios quentes. Você pode brincar com os acertos de freio, mas cria mais variáveis. E você tenta ser constante. Fizemos vários testes, alterando os níveis para cima e para baixo. E encontramos uma maneira de aplicar um ajuste na corrida sem ter de brincar muito. Depois de chegar o ponto certo, você tem que tentar mantê-lo lá”.

Copyright: Original article Current-e insights Feb 15- current-e.com

Copyright: Original article Current-e insights Feb 15- current-e.com

Outro aspecto da Formula E que demonstrou ser um desafio para os pilotos: as pistas. O calendário está repleto de novos circuitos de rua, que, em geral, só ficam prontos no dia da corrida. A consequente escassez de dados, combinado com orçamentos limitados do primeiro ano torna muito complicado produzir simuladores precisos.

No final da tarde brilhante Buenos Aires sol no início de janeiro, os pilotos da Venturi, Nick Heidfeld e Stephane Sarrazin pararam em uma curva e olharam para a seção do circuito que tinha acabado de passar caminhando. “Isso era uma reta no simulador”, disse Heidfeld, com testa franzida. “Não para mim”, respondeu Sarrazin, encapsulando a questão.

“Nós não temos muito tempo na pista na Fórmula E, assim o tempo que temos no simulador é ótimo”, diz Piquet. “Todos os pilotos adoram porque podemos apenas pilotar, pilotar e pilotar. Não sendo uma equipe muito grande, nós usamos um pouco simulador privado, nada extravagante. Uma coisa é andar em um simulador de uma pista de F1 onde a equipe desenvolveu a pista com mapas de laser e construiu o seu próprio carro para que eles conheçam a sua geometria perfeitamente. No nosso caso, temos um mapa CAD da pista. Não sabemos as elevações, não sabemos os solavancos. Nós não construímos o carro e assim nós não temos os dados de engenharia precisos. É muito limitado. Mesmo para as equipes que estão gastando mais em simuladores, como você poderia replicar tudo isso? Os tempos de volta até agora estão em cerca de cinco segundos de diferença”.

Piquet entende os benefícios, mas acha que o orçamento limitado da equipe poderia ser melhor empregado em outro lugar, a curto prazo: “Eu acho que se vamos gastar dinheiro em um simulador, você deve decidir por tudo ou nada. Se estamos apenas para gastando 10%, do que poderia, seria melhor gastar com um outro engenheiro, empenhar o dinheiro onde ele vai fazer a diferença. É como se um time fosse construir uma sede: por que se preocupar com a construção de uma pequena, sem espaço? É melhor construir um centro de treinamento de ponta, onde você pode realmente testar os pilotos e encontrar seus pontos fracos – ou então você pode treinar utilizando um de outro, melhor”.

Steven Lu, chefe de equipe da China Racing, revelou que a equipe pensa em se tornar construtor na segunda temporada, e que as conversas com potenciais fabricantes estão bem avançadas. No entanto, não se sabe muito bem como essas parcerias podem afetar orçamentos operacionais ou até mesmo como exatamente serão os regulamentos técnicos. Piquet não está muito preocupado, no entanto: “Há um grande número de fabricantes que falam a nossa equipe. Se assinarmos com um fabricante, estaremos olhando o quanto do orçamento investimos com baterias ou motores, quanto apoio teremos. As peças começarão a se encaixar ao longo do ano”.

Os céticos têm comparado Formula E com extinta A1 GP, alegando que a série dos totalmente elétricos pode não sobreviver ao seu primeiro ano. Com a experiência de ambos os esportes, Piquet acredita que o interesse forte dos fabricantes é um fator que diferencia claramente os dois. “Eu fui o primeiro vencedor da A1 GP e era um ótimo ambiente – para começar com”, diz ele. “Eles tinham uma quantidade similar de dinheiro, mas não tinham um plano. Eles estavam apenas atirando dinheiro e começaram a mudar as coisas, regras. A Fórmula E é diferente. Há um grande plano adiante. Há vários fabricantes envolvidos e ela vai crescer rapidamente”.

Por agora, o piloto brasileiro está simplesmente concentrando-se na próxima corrida. “Eu não tenho 100% de certeza se eu vou fazer todas as corridas desta temporada”, diz ele. “Depende do patrocínio para a equipe. Eles têm alguns pilotos que estão dispostos a pagar um bom dinheiro por um lugar. Eu só preciso obter bons resultados. Estamos todos otimistas. Mesmo na GP2, as equipes pequenas não têm a chance de lutar com as equipas de topo. E eu estou muito motivado por isso. É muito bom voltar às minhas raízes, é um tipo diferente de carro, mas eu estava sentindo falta das corridas de monopostos”.

Copyright: Original article Current-e insights Feb 15- current-e.com

Copyright: Original article Current-e insights Feb 15- current-e.com

Boa tarde pessoal, sei que ando bem ausente nos últimos tempos, com pouca informação sobre as corridas do Nelsinho. No começo quando o twitter bombava mais, era raro ficar um dia sem postar. Mas muita coisa mudou em mais de 5 anos e algumas vezes senti falando com as paredes no twitter, sem ninguém interagindo. Sempre tento manter todos informados aqui no site, no twitter ou facebook onde eu faço tudo sozinha.

Por motivos profissionais no último ano acabei deixando de atualizar constantemente e recebi críticas de que não era mais um bom fã-clube. Isso realmente me chateou, mas eu entendo. Prometo em 2015 continuar fazendo meu melhor, mantendo todos atualizados. Quem visita o site sabe que aos poucos vou atualizando as páginas, como o calendário de corridas do Nelsinho. Em 2015 por enquanto só foi divulgada a Formula E, o resto é boato e eu não monto o calendário com boatos, sempre prezei por ser um tanto quanto profissional. Dessa forma conquistei o respeito de muitos e assim seguirei fazendo.

Obrigada a todos que sempre apoiaram, deixo esse post desabafo como um espaço público para críticas e sugestões. E claro, o Nelsinho é um querido, um amor de pessoa e se alguém não se sente satisfeito com o fã-clube Piquet Jr Mania, que faça um, eu não sou exclusiva :)

Livia Castrioto

#ENGLISH#

Hi my friends, I’m aware that I have been absent of Nelson’s updates last year – specially in English. I know, five years ago I used to post every day on twitter, facebook and in this blog. But I’m only one person and I have my own problems and my life.

Due professional reasons I have been a little absent, but I never stop to update. Sometimes I felt I was alone on twitter, tweeting and nobody answering. Now I recieve some criticism I was not a good fan club. I promise I will do all my best in 2015. Who visit frequently this blog could see I have been updating pages like Nelson’s calendar. From now he only announced Formula E full calendar. I don’t know about GRC or NASCAR rumors, because I don’t like to be irresponsible. I post what is true. Rumors are rumors.

I’m really thankful with everyone who always support me since october 2009, this post is not to complain. But if you have something to complain, or suggestion, let me know. And of course I’m not exclusive, If you want to create a fan club for him, go ahead. He is an amazing person and deserves all the love from world. :)

Livia Castrioto

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 3.817 outros seguidores